SAIBA MAIS SOBRE

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA.



PERGUNTAS FREQUENTES.

Os painéis solares captam a luz solar através de células fotovoltaicas e a transformam em energia elétrica de corrente contínua. Depois o inversor converte a energia contínua para corrente alternada que é o formato utilizado em nossas tomadas.

É a conversão da luz do Sol em eletricidade. A energia gerada pode ser aproveitada para abastecer toda a necessidade de consumo da sua casa ou empresa fazendo com que sua conta de luz reduza em até 95% (você só paga a taxa mínima de disponibilidade).

Não. Os sistemas de aquecimento solar são utilizados apenas para aquecimento, por exemplo, de ambientes e água dos chuveiros. Já o sistema de Energia Solar produz energia elétrica que pode ser utilizada para suprir todas as necessidades da sua casa ou empresa.

São três principais:

Painéis fotovoltaicos: Que captam a energia solar e transformam e energia elétrica

Inversores: Que transformam a corrente contínua (CC) em corrente alternada (CA) e ajustam a voltagem de acordo com a necessidade. Inversores de sistemas conectados à rede elétrica também possuem a função de sincronizar o sistema com a rede,possibilitando a integração com a rede elétrica local da sua distribuidora de energia

Baterias: Usadas em sistemas isolados para armazenar energia

Controladores de carga: Usados em sistemas isolados e que controlam o carregamento das baterias

Outros equipamentos: Além dos equipamentos principais, são necessários ainda Cabos, Estruturas de fixação para os painéis, Proteções elétricas, e outros acessórios.

Que bom que você já percebeu todos os benefícios que o sistema de Energia Elétrica Solar traz para você e para o meio ambiente. Agora basta você solicitar seu ORÇAMENTO AQUI!.

Obtendo as informações necessárias com você, faremos o dimensionamento do projeto através de imagens de satélite e calculamos os equipamentos necessários para atender a demanda da sua casa ou empresa. Tudo isso sem custo algum.

Muitos. Os principais são:

• Com um investimento melhor do que renda fixa, você tem uma redução de até 95% da sua conta de luz;

• Valorização do seu imóvel em cerca de 8%;

• Planejamento a longo prazo dos gastos com energia;

• Saber que você utiliza uma tecnologia inovadora que não agride o planeta e colabora com a preservação do meio ambiente;

• Redução da produção de gases poluentes que causam o efeito estufa;

• Retorno total do investimento em cerca de 5 a 7 anos;

• Retorno de 20 a 40 vezes o valor investido ao final de 25 anos;

• Diminuição das perdas na produção, transmissão e distribuição de energia, pois a energia é gerada em seu próprio local de consumo.

Sim. Com o sistema solar, você produz sua própria energia, reduzindo suas contas, deixa de pagar ICMS e PIS/COFINS. Além disso muitas cidades do Brasil também já oferecem incentivos fiscais para energia solar, como descontos no ISS, ITBI e IPTU.

Sim. Um estudo conduzido pelo Laboratório Nacional Lawrence Berkeley na Califórnia analisou os dados de vendas de quase 23 mil casas de 2002 a 2013 em oito estados americanos – país onde o uso desse tipo de energia já está mais maduro – e percebeu essa tendência de valorização em torno de 8%. O Brasil é o país com mais potencial para uso da energia solar e essa tendência de valorização deve ser percebida por aqui nos próximos anos. Afinal, quem não quer morar numa casa que só paga a taxa mínima de disponibilidade e tem todo o conforto de usar energia elétrica sem preocupação com o tamanho da conta no final do mês.

A Energia Elétrica Solar é limpa e não agride o planeta, pois não produz gases que causam o efeito estufa e nenhum outro tipo de poluição. Não depende de desmatamento e nem de alagar grandes áreas assim como as hidroelétricas precisam. Outro benefício importante a destacar é que a produção de energia elétrica solar é descentralizada, ou seja, o sistema aumenta a segurança energética do país.

Muito pouca, pois os equipamentos tem vida útil mínima de 25 anos (com garantia de desempenho dos painéis fotovoltaicos) e são muito resistentes. Ocasionalmente pode haver perda de performance na produção de energia devido ao acumulo de sujeira nos painéis solares, mas com uma simples chuva geralmente esses problemas são resolvidos.

Muito rápida. Em cerca de 2 a 3 dias você terá seu sistema instalado com mínima interferência na rotina da sua residência ou empresa. Nossa equipe é altamente capacitada e o processo de instalação é simples e ágil.

É direcionada para sua distribuidora de energia gerando créditos para você utilizar durante a noite ou em dias muito nublados. Esses créditos podem ser utilizados em até 60 meses e são especificados na sua conta de luz. Também é possível utilizar seus créditos em outro imóvel que você possua e que esteja cadastrado na mesma área de cobertura da sua distribuidora de energia com o mesmo CPF ou CNPJ.

Não exatamente, mas é algo bem próximo disso. Você passará a pagar o valor mínimo da conta de luz (referente à iluminação pública e custo de disponibilidade da rede) que é de aproximadamente R$40,00 (Sistema Bifasico) e R$80,00 ( Sistema trifasico) dependendo do seu tipo de conexão.

Não. Monitoramos remotamente todos os sistemas de Energia Elétrica Solar dos nossos clientes e realizamos visitas regulares, durante o tempo de garantia de Instalação (5 Anos), para garantir a máxima produção de energia. Caso haja diminuição da performance do sistema entramos em contato com você para verificar se não há acumulo de sujeira nos painéis ou algum outro objeto que possa estar atrapalhando a captura da luz do sol.

Sim, mas esta opção é para quem está disposto a investir um pouco mais no sistema de Energia Elétrica Solar. Para se tornar totalmente independente da sua distribuidora de energia, você precisará de baterias para armazenar toda a energia produzida pelo seu sistema para poder utilizá-la a noite ou em dias muito nublados.

Não emite nenhum ruído. Essa é outra vantagem interessante do sistema de energia solar.

Antes de colocar seu sistema de Energia Elétrica Solar em funcionamento ele precisa ser regularizado, processo que é conhecido como homologação e consiste no envio do projeto de engenharia detalhado para avaliação e aprovação da sua distribuidora de energia. Geralmente são feitas cerca de 3 vistorias técnicas no local pela equipe da distribuidora que por fim autoriza a ligação do sistema na rede.

Como trabalhamos com as melhores marcas de equipamentos para gerar o máximo de energia possível para sua casa ou empresa. Chamamos esse investimento de “Investimento para a vida” devido ao longo prazo de duração do mesmo.

Um sistema fotovoltaico conectado à rede tem uma vida útil de 30 a 40 anos, sendo que a maioria dos painéis fotovoltaicos tem garantia de 25 anos para produção de pelo menos 80% da potência nominal. Já os inversores têm garantia de 5 a 10 anos e um vida útil esperada de 10 a 15 anos, podendo ser trocados. Alguns microinversores têm vida útil maior, chegando a 25 anos.

No caso dos sistemas isolados, os inversores e controladores de carga têm garantia de dois anos e vida útil de 5 a 10 anos, mas a principal diferença (especialmente em custo) fica por conta das baterias que são caras e devem ser substituídas com maior frequência. As baterias mais usuais tem vida útil de 5 anos e baterias especiais podem chegar a 10 a 15 anos de duração, sempre dependendo de um bom dimensionamento e uso.

É fácil. Basta acessar nossos portais de acesso via computador ou celular. Com ele você acompanha em tempo real toda a energia que seu sistema produz. Também é possível filtrar a quantidade de energia gerada por período anual, mensal, semanal e diario. Dessa forma você acompanha a performance do seu sistema e percebe todos os benefícios que ele traz para você.

Não, diretamente. A energia elétrica é gerada em função da luz do sol (insolação). A temperatura influi no aquecimentos dos modulos e causas pequenas perdas.

Sim. Os painéis solares captam a energia da luz do sol por menor que ela esteja. Em dias nublados a produção de energia elétrica não será ótima, mas, mesmo assim, haverá geração de energia.

Durante a noite, não há geração de energia. Por isso, o projeto será dimensionado para gerar excesso de energia durante o dia. Esse excesso será injetado na rede pública, o que gerará créditos. Esses créditos serão usados para ser abatidos do seu consumo noturno.

Não! Atualmente trabalhamos regulamentados pela resolução 482/687 da Aneel, e as concessionárias têm obrigação de aceitar a conexão de micro geração de energia (neste caso a instalação do sistema fotovoltaico). E como trabalhamos com engenheiros treinados e experimentados em projeção de sistemas fotovoltaicos, e Durante todo o processo, a equipe estará presente e tomará frente de qualquer diligência administrativa e/ou eventual solicitações técnica para que este seja concluído de maneira mais rápida e eficiente possível e, principalmente, sem preocupação para você!

Os sistemas podem ser Térmicos (para aquecimento) ou Fotovoltaicos (para energia elétrica). A energia solar térmica serve para chuveiros, piscinas, aquecimento de ambientes ou processos industriais. Já o sistema fotovoltaico pode ser utilizado tanto para locais remotos ou sem energia, sendo chamados de sistemas Isolados ou Off grid, quanto para locais com acesso à energia elétrica para redução do consumo, sendo então chamados de sistemas conectados à rede ou Grid tie.

Isso depende de vários fatores como a potência do painel, local da instalação, orientação e inclinação do painel, temperatura, sombreamento, dentre outros. Um painel de 250 Wp no Brasil pode produzir em média um máximo entre 1,2 e 1,4 Wh por dia (ou entre 36 e 42 kWh por mês). Deve-se ainda considerar as perdas de energia, na ordem de 35% para sistemas com baterias e 20% em sistemas conectados à rede.

Existem detalhes particulares de cada sistema, mas os dados básicos são:

Sistemas isolados (off grid):

Lista de equipamentos com Potencia (W), Horas de uso por dia (h) e Voltagem de funcionamento dos equipamentos (12V, 110V, 220V, etc.)

Local da instalação (Cidade - UF)

Autonomia requerida em dias (quantos dias sem sol o sistema deve suportar)

Sistemas conectados à rede (grid tie)

Consumo mensal medio em kWh e em R$

Voltagem (110V, 220V, etc.) e tipo de sistema (mono ou trifásico)

Local da instalação (Cidade - UF)

Infelizmente não há uma resposta padrão, pois depende de uma série de variáveis e até mesmo do tamanho dos painéis escolhidos. Além disso, não é necessário produzir toda a energia consumida. Ex: uma residência com consumo de 500 kWh/mês utilizará cerca de 10 a 12 painéis de 260 Wp em uma cidade média brasileira para abastecer 100% de sua necessidade.

O custo do sistema depende do seu tamanho e equipamentos selecionados, que por sua vez dependem da quantidade de energia necessária e de características do local da instalação. Um sistema completo e instalado custa entre 5.000 e 15.000 R$/kWp.

Infelizmente os incentivos ainda são poucos no Brasil. Existem programas como o PROESCO (para empresas que buscam maior eficiência energética, o PRODEM (para levar energia a áreas remotas) e o Fundo Clima (voltado a geração de energia para distribuição). Além desses, existem outros incentivos e programas regionais, para fabricantes e também consumidores. No entanto, a maioria desses incentivos são de difícil acesso ou de pouca aplicabilidade, sendo muito pouco utilizados se comparados ao potencial desta tecnologia.

Existe a expectativa de que novos incentivos surjam nos próximos anos, atualizados e específicos para energia solar fotovoltaica. Caso você conheça algum outro incentivo, por favor, nos avise e ajudaremos a divulgar!

Depende do tamanho e características do sistema bem como da forma como eles deverão ser montados nos arranjos. Um sistema de 1 kWp ocupa uma área de aproximadamente 7 m2 de painéis. No entanto, se estiverem inclinados sobre uma superfície plana como uma laje, um painel pode fazer sobra sobre o outro e eles deverão ficar afastados, exigindo uma área até duas vezes maior.

Qualquer equipamento pode ser utilizado. Sempre tenha em mente que equipamentos de alto consumo como chuveiro elétrico e ar condicionado requerem muitos painéis e, portanto, devem ser substituídos por outras soluções quando possível. O chuveiro, por exemplo, pode utilizar energia solar térmica, mais eficiente e barata para esta aplicação.

Neste tipo de sistema, não devem ser utilizados equipamentos como chuveiro elétrico e ar condicionado, pois seu alto consumo e potência inviabilizam o sistema e eles podem ser substituídos. Além disso, deve se ter atenção com equipamentos com motores elétricos, como geladeiras e bombas d’água, pois a potência de partida exige inversores adequados. Sempre pergunte qual é o inversor ideal para alimentar seus equipamentos.

Sim e este é uma das aplicações mais utilizadas em todo o mundo. O sistema funciona de forma integrada com a rede elétrica e o consumidor pode trocar energia com esta rede, pagando apenas a diferença entre seu consumo e a produção própria de energia.

Caso você não tenha acesso à rede elétrica é possível fazer um sistema isolado (off grid). Neste caso, o sistema precisará de baterias para armazenar a energia para a noite e dias nublados.

Sistemas pequenos e isolados (off grid), compostos por até 3 ou 4 painéis são de fácil instalação e menor risco, mas é recomendado que seja realizada por um profissional com familiaridade com sistemas fotovoltaicos. Já para sistemas conectados à rede ou sistemas off grid maiores deve-se recorrer a um profissional especializado.

Os painéis menores são geralmente utilizados para sistemas isolados, com baterias, enquanto os painéis maiores para sistemas conectados à rede elétrica. Isso acontece devido a voltagem típica de cada painel, 18V para os pequenos (até 140 Wp ou de 36 células) e 30V para os maiores (240 Wp de 60 células,por exemplo). Os painéis grandes não são feitos para utilização com baterias. Podem ser utilizado, porém seria necessário um controlador de carga especial (MPPT) o que aumentaria o custo total do sistema.

Sim, um sistema de energia solar pode ser hibrido com energia eólica e também com um gerador a diesel, hidroelétrico, ou combinações com mais de duas fontes.

Com relação à energia eólica, deve se observar com muita atenção o local da instalação, pois esta fonte depende de ventos fortes, constantes e com pouca turbulência, condições não são encontradas em qualquer local. Em zona urbana ou com muitas árvores, por exemplo, a energia eólica não é recomendada. Além disso, os geradores eólicos precisam de maior manutenção, pois possuem partes móveis que se desgastam mais rapidamente. No entanto, de frente para o mar ou no alto de colinas, esta fonte tem potencial de utilização.

Não. O sistema adotado pelo Brasil não permite a venda de energia à concessionária como em outros países. No entanto existe um sistema compensação de energia onde um crédito (Produção maior que o Consumo) gerado em um determinado mês pode ser utilizado em um mês subsequente ou até mesmo em outra unidade consumidora do mesmo CPF ou CNPJ, dentro da mesma concessionária.

Por exemplo, se em um determinado mês você viaja de férias ou a radiação solar é muito alta e você produz 500 kWh consumindo apenas 400 kWh, será gerado um crédito de 100 kWh. Se no próximo mês seu consumo foi de 550 kWh e a produção de 500 kWh, você não pagará nada e ainda terá um crédito de 50 kWh para os próximos meses.

Sim, inclusive há uma Resolução Normativa da ANEEL (482/2012 ou 687/2015) que trata inteiramente sobre sistemas de microgeração conectados à rede elétrica. As concessionárias não só devem permitir como têm prazos máximos definidos para avaliação e autorização dos sistemas.

Sim, porém se você já tem acesso à rede elétrica isso não é recomendado. O sistema fotovoltaico conectado à rede é mais eficiente, econômico, seguro, ecologicamente correto e de menor manutenção, portanto é a melhor opção para as pessoas que já possuem a energia rede pública.

Não. Os sistemas conectados à rede elétrica jogam a energia excedente na rede e o relógio registra esse excedente como crédito que será compensado pelo consumo durante a noite, dias nublados ou até mesmo nos meses subsequentes. Para isso, a concessionária trocará o relógio por um relógio bidirecional. É como se a rede pública fosse sua “bateria", recebendo a energia para o uso em outro momento.

Não, você pode utilizar a fiação elétrica já existente da sua casa ou empresa, bem como o seu telhado ou laje para fixação dos painéis. A concessionária deverá trocar o relógio de força por um relógio bidirecional. Caso você ainda não tenha construído sua casa ou empresa, o ideal seria que o telhado fosse voltado para a linha do equador (ou Norte, na maior parte do Brasil) para melhor aproveitamento da energia solar.

Sim, porém muitas vezes é inviável devido a potência de partida ou surto dos motores elétricos que pode chegar a oito vezes a potência nominal, exigindo um inversor muito grande e caro e inviabilizando o sistema seja pelo custo ou até mesmo tecnicamente. Por esse motivo, surgiram as bombas solares, que dispensam o uso de inversores e devem ser utilizadas sempre que possível, substituindo as bombas convencionais.

Bombas d’água solares não possuem uma vazão constante, a vazão varia com a hora do dia, conforme a irradiação solar. Como a vazão é muito diferente entre 9h da manhã e 12h, por exemplo, faz mais sentido olhar a produção diária, que pode ser determinada e é relativamente constante.

Depende da bomba. A grande maioria das bombas solares não é feita para trabalhar com baterias e essa é a sua grande vantagem. Como elas bombeiam somente enquanto houver sol, o ideal é que a água seja bombeada e armazenada durante o dia para ser utilizada durante o dia e a noite. Assim como para as baterias, o reservatório deve ser grande o suficiente para garantir a água durante os dias nublados.


NOVAS PERGUNTAS

Atraves de nossos meios de comunicação, podemos lhe responder e adicionaremos a nossa lista!

Via email, telefone, skype, facebook, estamos a disposição!